O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

São José do Rio Preto,26 de janeiro de 2020.
 
      Notícias
Página Anterior Imprima este Artigo
08/02/2017 - 08:36
Lucro do Itaú Unibanco chega a R$ 5,543 bilhões no 4º trimestre de 2016
 
No ano de 2016, o lucro somou R$ 21,6 bilhões, 7% abaixo dos R$ 23,3 bilhões registrados em 2015. É o segundo maior da história, segundo a Economatica

O Itaú Unibanco anunciou nesta terça-feira (7) que registrou lucro líquido de R$ 5,543 bilhões no quarto trimestre de 2016, depois de atingir R$ 5,394 bilhões nos três meses anteriores: uma alta de 2,76%. No mesmo período de 2015, os ganhos haviam atingido R$ 5,698 bilhões, uma baixa de 2,7%.

O número refletiu principalmente a provisão para perdas com calotes, líquido das recuperações de crédito, que caiu 7,8% ante o trimestre anterior, a R$ 4,82 bilhões. Além de ter feito provisões menores, o banco também conseguiu maiores receitas de recuperação de créditos já baixados a prejuízo.

No ano de 2016, o lucro somou R$ 21,6 bilhões, 7% abaixo dos R$ 23,3 bilhões registrados em 2015. De acordo com a empresa de informação financeira Economatica, o lucro é o segundo maior da história dos bancos de capital aberto brasileiros. O maior até hoje é o do Itaú, registrado em 2015.

Ao final do quarto trimestre de 2016, o índice de inadimplência das operações vencidas acima de 90 dias atingiu 3,4% - uma redução de 0,5 ponto percentual em relação ao trimestre anterior e um crescimento de 0,2 ponto percentual frente ao mesmo período de 2015.


A despesa não decorrente de juros, que inclui pagamento de salários, caiu 3,6% na base sequencial e ficou praticamente estável ano a ano, a R$ 11,9 bilhões.

Na outra ponta, as receitas de prestação de serviços subiram 2% sobre o terceiro trimestre e 1,36% ano a ano, para R$ 7,98 bilhões.


A carteira de crédito do Itaú Unibanco voltou a registrar retração, refletindo a economia do país em recessão. No fim de 2016, o estoque de financiamentos da instituição, incluindo avais e fianças, somava R$ 562 bilhões, queda de 1% em três meses e de 11,5% sobre o fim de 2015.


O movimento refletiu sobretudo a queda anual de 17,3% na carteira para grandes empresas e de 14,9% das operações latinoamericanas, estas refletindo a queda do dólar.

No último trimestre de 2016, o banco também registrou queda de 3,9% da margem financeira com clientes em relação aos três meses anteriores, refletindo principalmente um baixa contábil de R$ 1,255 bilhão.

O retorno recorrente anualizado sobre o patrimônio líquido atingiu 20,7%, acima dos 19,9% do trimestre anterior e menor que os 22,1% de um ano antes.

Previsões

Para 2017, o Itaú Unibanco previu forte queda no volume de provisões consolidadas para perdas com inadimplência, fixando uma faixa de R$ 14,5 bilhões a R$ 17 bilhões. Em 2016, o volume total provisionado foi de R$ 22,4 bilhões.

O banco também previu para sua carteira de crédito de estabilidade a expansão de 4 por cento neste ano, mas que a margem financeira terá contração de 0,5 a 4% no período, para o qual é esperada mais queda da Selic.

Para as despesas não decorrentes de juros, as chamadas despesas administrativas, a faixa de crescimento prevista pelo banco é de 1,5 a 4,5%.
Na semana passada, o Bradesco informou ter registrado lucro líquido contábil de R$ 3,592 bilhões no quarto trimestre de 2016 - uma alta de 11% em relação aos três meses anteriores. Frente ao mesmo período de 2015, os ganhos sofreram uma queda de 17,5%.

Fonte: G1

 
.: Sindicato dos Bancários de São José do Rio Preto e Região :.
2010 - Direitos Reservados - Desenvolvido por Solução R2